Muito prazer, Luxemburgo!

Conheça o Grão Ducado que parece ter saído de um conto de fadas

luxemburgo

 Luxemburgo, para muitos brasileiros, é apenas o sobrenome de um famoso técnico de futebol. Se poucas pessoas se lembram que existe um país minúsculo com o mesmo nome na Europa, menos gente ainda sabe o que tem por lá.  Peculiar já apenas por ser o único grão-ducado ainda existente, é uma democracia parlamentar representada por um Grão-Duque. É membro fundador da União Europeia e da ONU e foi um dos primeiros países a adotar o euro. Tem três idiomas oficiais: luxemburguês, alemão e francês, e, além desses quase todas as pessoas falam inglês. O português é a principal língua de minorias do país, devido aos imigrantes que vieram de Portugal, principalmente na década de 1970.

DSC 0083

A região onde localiza-se o país, entre a Alemanha, Bélgica e França, foi historicamente habitada por tribos francas e posteriormente foi incorporada ao Sacro Império Romano-Germânico de Carlos Magno. No ano de 963 o conde de Ardennes fundou o país, que décadas mais tarde ganharia independência como um grão-ducado. Entre idas e vindas de dominantes, o país estabeleceu em 1948 uma união alfandegária com Bélgica e Holanda, o conhecido Benelux.

A cidade de Luxemburgo é a capital e está na lista do Patrimônio Mundial da UNESCO por sua importância histórica. Já foi designada duas vezes como Capital Europeia da Cultura. Na capital fica o Grande Palácio Ducal, um belo palácio instalado ao lado da Place Guillaume, a principal praça da cidade, com seu mercado a céu aberto e o prédio da Prefeitura. A Igreja de Notre Dame pode não ser tão famosa quanto a homônima francesa, mas mantém o charme de um prédio que foi construído no século XVII. A rota Wenzel, um passeio por quarteirões antigos da capital, promete uma viagem de mil anos em apenas cem minutos. Quem gosta de caminhadas também vai adorar o Chemin de La Corniche, passeio que leva o visitante a uma vista deslumbrante da cidade. A parte mais antiga da fortaleza da cidade são as Casemates, túneis e corredores de pedras que serviram de refúgio em conflitos ao longo da história. No interior do país, as paisagens mesclam florestas fechadas, rios e castelos.

DSC 0105

Luxemburgo também é conhecido pelos restaurantes requintados que frequentam a lista dos mais estrelados do mundo. Apesar das influências virem dos vizinhos belgas, alemães e franceses, ela conseguiu tirar o melhor de cada uma, imprimindo uma personalidade própria.

COMO CHEGAR: Como o Luxemburgo não costuma ser o destino-fim da grande maioria dos turistas, apesar do principal aeroporto do país, o Luxembourg-Findel Airport (LUX), estar localizado próximo à capital, a maioria vem mesmo é por terra. Trens co-operados pela companhia nacional CFL possuem serviços a partir de Paris (2h10 de viagem, de TGV), Amsterdã (5h30) e Bruxelas (3h10).

+ Os sabores e costumes da Tailândia

ASPECTOS INTERESSANTES: A cidade é muito bem cuidada. Ruas floridas, tudo limpíssimo e casas bem conservadas apesar de antigas. Muitos dos prédios foram construídos no século XVIII e têm detalhes interessantes como esse gárgula fixado na parede, o oratório com uma santa e a janela com a inscrição “Mir wölle bleiwe wat mir sin” (“Queremos continuar como somos”). No centro da capital, dois museus merecem uma visita: o Museu Nacional de História da Arte e o Museu da História da Cidade de Luxemburgo.

DSC 0146

Mas, o mais interessante da cidade são as misteriosas casamatas de Bock e Pétrusse. Se elas pudessem falar contariam muitas histórias sobres as batalhas de Luxemburgo. As casamatas são passagens subterrâneas secretas interligadas aos centros militares de proteção da cidade - um super sistema de defesa. Elas somam mais de 23 quilômetros de extensão. Por isso, Luxemburgo tem o apelido de “Gibraltar do Norte”. Durante a II Guerra Mundial, as casamatas foram usadas como abrigo para a população. Mais de 35 mil pessoas foram protegidas dos bombardeios graças a esses esconderijos.

E, para encerrar a visita é preciso ir até a Cidade Baixa - Grund - um complexo de casas do século XIV muito bem preservadas às margens do rio Alzete. Na Idade Média era ali que moravam os sapateiros, os homens que curtiam o couro e os que fabricavam cerveja.

DSC 0927

Edição atual



capa032

[+] News

Prático, funcional e integrado

14 Setembro 2018
Prático, funcional e integrado

Bem arejado, projeto prioriza espaços com boa circulação e iluminação natural

Ao Ar Livre

13 Setembro 2018
Ao Ar Livre

Linha Tibbo

Cidade de Constantino

13 Setembro 2018
Cidade de Constantino

Berço da civilização, Istambul, na Turquia, foi capital dos impérios Romano e Otomano

Paulo Mendes da Rocha

13 Setembro 2018
Paulo Mendes da Rocha

Arquiteto é tema de exposição no Itaú Cultural

7 truques para ampliar espaços

12 Setembro 2018
7 truques para ampliar espaços

Arquiteta Cristiane Schiavoni lista soluções simples para trazer amplitude visual

Forma e Função

12 Setembro 2018
Forma e Função

Mesas de apoio da linha Sun

Paraíso High Tech

11 Setembro 2018
Paraíso High Tech

Tóquio é o exemplo de uma megalópole bem organizada e cheia de contrastes

Antes & Depois

11 Setembro 2018
Antes & Depois

Área gourmet é reformulada e segue estilo industrial, com uma leve pegada retrô

5 dúvidas sobre...sala de jantar

11 Setembro 2018
5 dúvidas sobre...sala de jantar

Arquiteta Nicole Finkel responde 

Giro Décor

06 Setembro 2018
Giro Décor

Visitamos as duas unidades da Loeil, em São Paulo

Luz & Design

05 Setembro 2018
Luz & Design

Luminárias, pendentes e abajures para diferentes estilos de ambientes

Minimalismo

05 Setembro 2018
Minimalismo

Mesa Lateral Cloe

Subway-Tiles

05 Setembro 2018
Subway-Tiles

Porcelanato Grid

Entrevistamos os designers do atelie oï

04 Setembro 2018
Entrevistamos os designers do atelie oï

Trio suíço é tema de exposição no Museu da Casa Brasileira  

Décor Sustentável

04 Setembro 2018
Décor Sustentável

Gamela Corte da Terra

© 2017 Revista it Home | Todos os Direitos Reservados | Tel. (11) 2673-5141