5 dúvidas sobre… pintura de parede

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email

A arquiteta Fernanda Angelo e a designer Elisa Bracher Meirelles, do Estúdio Cipó, dão dicas para a escolha certa das tintas na hora de pintar a casa   

Foto: Julia Ribeiro

Quais são os tipos de tinta mais indicados para cada ambiente da casa?

Os ambientes mais secos, como salas e quartos, podem ser pintados com a tinta Látex PVA, que é lavável e tem três tipos de acabamento para escolha: fosca, semibrilho e acetinada. Na varanda e nas áreas externas em geral, dê preferência ao uso das tintas mais resistentes ao calor do sol e à chuva, que evitam a criação de mofo. A tinta Cal é uma boa opção para quem quer esconder as imperfeições da parede. Outra opção é a tinta com Textura, como o grafiato, que é mais resistente e protege contra infiltrações, além de oferecer várias possibilidades de ranhuras. Já a tinta Acrílica é uma das mais utilizadas e pode ser aplicada em ambientes internos e externos, com muitas opções de acabamento e a vantagem de ser impermeável. Para ambientes como banheiro, lavanderia e áreas molhadas, a tinta acrílica, resistente à umidade e mofo, é sempre a mais indicada.

Quando usar as tintas esmalte e epóxi?

A tinta Esmalte, com base de óleo, é perfeita para aplicação em madeira, como portas e rodapés, em metais e mobiliários. Tradicionalmente, é uma tinta mais resistente, com secagem demorada. Hoje existe no mercado também a tinta esmalte à base d’água, mas o acabamento não é tão liso e é menos resistente que a esmalte a óleo. Já a tinta Epóxi é produzida em resina plástica e oferece alta resistência ao atrito, sendo indicada para locais como garagens, hospitais e quadras esportivas. Em projetos de interiores e exteriores, é uma alternativa para quem quer restaurar um ambiente e tem pouca verba: ao invés de trocar um piso ou azulejo, pode-se apenas pintar da cor desejada e obter um ar diferente para o piso ou parede. 

 

Onde os acabamentos fosco, brilho e textura são bem-vindos?

A tinta fosca é ideal para ambientes internos e mais discretos. Ela é perfeita para paredes com muitas imperfeições, pois ajuda a esconder os defeitos. Ao contrário da fosca, a tinta brilho realça as paredes – e também as imperfeições. Ela dispensa acabamento, com a vantagem ainda de facilitar o dia a dia de limpeza e a prevenção da umidade. A textura é um acabamento mais específico. Para isso, existe uma cartela enorme de desenhos para a aplicação desse tipo de tinta. Ela é de alta durabilidade e protege a alvenaria da umidade, sendo muito usada em áreas externas. 

 

Cores escuras ou intensas exigem mais cuidado?

Sim, certamente. Se optar por uma tinta com um tom mais forte, como o vermelho, prefira uma tinta fosca. O acabamento brilho vai deixar a pintura ainda mais evidente e destacar qualquer pequeno defeito. 

Para quem quer fugir dos tons clarinhos e pastel, qual a recomendação?

Nossa sugestão é brincar com a cor em uma ou duas paredes, não no ambiente todo. As cores escuras podem ser usadas em diversos espaços, deixando-os mais intimistas, como na sala de TV, nos quartos e até no banheiro. Uma forma de usar o tom escuro é destacar uma parede que tem algum quadro ou peça de design. A parede do home office na sala de estar, por exemplo, pode ser pintada de cor diferente, sobressaindo que aquele espaço foi reservado para ser o escritório da casa. Mas, se decidir pintar várias paredes de um mesmo ambiente com um tom escuro, a orientação é ficar atento com a iluminação, para não deixar o ambiente muito “dark”.

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email

LEIA TAMBÉM

Cor e marcenaria como aliados

Apartamento de 38 m² aposta em móveis sob medida e paredes de…

Toques de cor e alto astral

Com aproximadamente 66m², esse apê, localizado em Pinheiros, São Paulo, ganhou novo…

Pequenos Projetos - Lucilla Mesquita

Eles são pequenos, mas nem por isso menos prestigiados. Os projetos com…