fbpx

Camélia Òdòdó

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email

Conheça o projeto do novo restaurante da culinarista e apresentadora Bela Gil, assinado pela dupla Nathalia Favaro e Ana Guedelha

 

Por Redação it HOME | Fotos: Ana Helena Lima e Maura Mello

 

 

Cores terrosas, a conexão com a natureza e a sustentabilidade ditam o tom no novo restaurante da Bela Gil, o Camélia Òdòdó, no bairro da Vila Madalena, em São Paulo.  Nathalia Favaro, da Vitrô Arquitetura, e Ana Guedelha, assinam em conjunto o projeto, que inclui 74 m² de restaurante/café  e 55 m² da Loja Korui, ambos compartilhando a mesma fachada.

“O projeto de arquitetura foi pensado a partir de um eixo central que conecta a loja ao restaurante e conta com uma escadaria e uma marquise para acesso. Nas extremidades do imóvel configuram-se, de um lado, o salão do restaurante, café e cozinha e, de outro, a loja Korui”, comenta Ana Guedelha.

 

 

Os principais desafios encontrados pela dupla na concepção do Camélia Òdòdó foram o declive acentuado ao longo de toda a fachada, a falta de integração entre o imóvel e a rua, a pouca entrada de luz natural e a existência de desníveis internos.

Logo na entrada, uma grande escadaria foi projetada para permitir o acesso ao imóvel – respeitando o desnível natural da rua. Ela, que também serve como uma arquibancada sombreada, cria um efeito de alargamento da calçada. Uma marquise em concreto ajuda nessa integração e abriga a chegada do pedestre a partir do café e percorre toda a extensão até a loja.

 

 

A escolha da paleta de cores, bem como o mobiliário e revestimentos, se relaciona diretamente com as marcas Camélia Òdòdó e Korui. “Todos os tons, que variam entre quentes e terrosos, bem como os materiais, foram pensados para conferir aos ambientes leveza e aconchego, além de resgatar os valores das duas marcas que buscam estar em harmonia com a natureza”, reforça Ana.

 

 

Em meio a planta livre da loja, um bloco central existente abriga o programa mais funcional do projeto, composto por banheiro, estoque e caixa. A cozinha e o estoque foram dispostos de maneira a compreender a entrada de serviços a partir da rua e, com uma configuração em L, criou-se uma abertura independente para o café.

 

 

O deck ao ar livre com um jardim de Plantas Alimentícias Não Convencionais (PANC’S) está entre os highlights do restaurante.

 

O projeto evitou grandes reformas estruturais na antiga casa. Parte dos resíduos gerados na demolição foram reutilizados na própria obra: no deck externo, no banco da calçada e no mobiliário interno. “Além disso, resgatamos a luz natural do imóvel a partir da abertura dos vãos existentes, que estavam cobertos, gerando um aumento da sensação de amplitude”, afirma a arquiteta Nathalia Favaro, da Vitrô Arquitetura.

 

Fachada do restaurante Camélia

 

Pensando no conceito de gentileza urbana, a dupla implementou alguns elementos que fizeram parte da proposta – como a reforma da calçada, a criação de um banco público, um estacionamento de bicicletas e um bebedouro com água potável gratuita.

 

+ PRA VOCÊ: Concreto e área verde

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email

LEIA TAMBÉM

Neutro e contemporâneo

Décor equilibrou o estilo discreto dos moradores com uma composição de formas…

Arquitetura ESG

Na agenda da 10ª DW!, evento online vai debater o uso de…

Sombra e água fresca

Arquiteto paisagista explica a diferença entre gazebos e pergolados e ensina como…