fbpx

Tendências têxteis

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email

Visitamos os principais estandes da Heimtextil, a maior feira têxtil do mundo, na Alemanha, e revelamos a seguir o que vale a pena ficar de olho nas próximas temporadas – e o que saiu de cena

 

Por Danilo Costa*

 

heimtextil feira textil tecidos
Materiais reciclados, livres de carbono, amigos do meio ambiente foram alguns dos pontos altos da Heimtextil 2023, em Frankfurt, Alemanha | Foto: Danilo Costa

 

Numa feira tão importante como a Heimtextil , em Frankfurt, na Alemanha, que costuma ditar tendências na área têxtil, é de praxe vasculhar os principais pavilhões (12, no total), percorrer corredores e entrar nos estandes (inclusive nos pequenininhos) para identificar o que está em alta, o que promete ‘bombar’ nos próximos meses e confirmar o que, de repente, não ‘deu’ as caras. Para se ter uma ideia, no primeiro dia de feira, este repórter aqui contabilizou 15 km percorridos e, no segundo dia, uma pequena bolha no calcanhar denunciou mais alguns km – tudo em busca de uma pesquisa cuidadosa e muita conversa com empresas em vários estandes para selecionar o que devemos apostar e o que precisamos questionar no quesito tendências em 2023. Vamos lá?

 

O que está em alta

 

tendências grandes folhagens
Flores, galhos, folhagens em grandes proporções: o maximalismo imperou em diferentes marcas de tecidos e papéis de parede. Aqui, o papel de parede da Adawall, grife de Istambul | Fotos: Danilo Costa

 

Folhagens e o maximalismo

Quem esperava encontrar tecidos, papéis de parede e outros materiais com estampas mais delicadas e mínimas, certamente, ficou desapontado. As folhas e as pétalas gigantes, os desenhos ampliados, num zoom de 2x, 3x ou até 4x vezes foi o que mais vimos em produtos pendurados, colocados, ambientados ou, simplesmente, expostos nos estandes. Flores, aves, paisagens e rochas também marcaram presença, mostrando que a aposta é de exibir mesmo as estampas nada delicadas. Com surgimento nos anos 1970, o estilo maximalista é o desejo de expressar uma personalidade marcante e, como dizia o arquiteto Robert Venturi, na época, ‘less is bore’ (menos é chato).


 

tecidos de fibra de PET
Produtos de fibras de PET, tecidos com fios reciclados, algodão concebidos com cortiças são algumas das matérias-primas dos tecidos presentes nos estandes dedicados às novidades sustentáveis, como vimos nos lançamentos da empresa israelense Nachik | Foto: Danilo Costa

 

Diferentes versões amigas do meio ambiente

Vegano, ecológico, sustentável, livre de carbono, amigo da natureza… esses nomes, espalhados por todos os lugares, dão o recado: fabricantes, marcas e lojistas estão de olho nos materiais que não poluem nem agridem o meio ambiente e, inclusive, signifiquem reaproveitamento máximo do que foi descartado. Inclusive, os organizadores da Heimtextil criaram um selo, uma plaquinha instalada nos estandes com o nome Green & Sustainable Products (Produtos Verdes e Sustentáveis) – Supplier Of Sustainable Home And HouseHold Textiles (Fornecedor de Têxtis Domésticos e Sustentáveis). Os expositores da Heimtextil também estão cada vez mais focados em estratégias de transformação que levam em conta múltiplos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Isso inclui a produção inovadora de produtos sustentáveis ​​- de fibras feitas de PET a linho em combinação com outras fibras naturais, como cânhamo, além de roupas de cama de algodão revestido com cortiça.


 

 

tecidos convidam ao toque
Bouclés, cheniles e outros tecidos que convidam ao toque foram atração da Heimtextil. Batizados de Opera, os produtos para áreas externas lançados pela italiana Dino Zoli, que conta com unidade no Brasil, são feitos a partir da fibra Olyna, que soma o toque suave ao alto desempenho e resistência das cores ao desbotamento frente às intempéries | Foto: Danilo Costa

 

Convite (cada vez maior) ao toque

Os bouclés e os cheniles, que vimos com força total na edição passada do Salão Internacional do Móvel de Milão, na Itália, e também na última CASACOR São Paulo, permanecem e ganharam um incremento de cores mais alegres, banhos de tecnologia para ficarem dentro ou fora de casa. O uso continua forte em estofados, como sofás, poltronas e almofadas, com o objetivo de abraçar e aconchegar, apresentando diferentes toques. O bouclé, criado em meados dos anos 1940 em busca de oferecer sofisticação e conforto, está em cena com diferentes texturas (ora mais altas, ora mais baixas), resultado de diferentes misturas de fios.


 

tapeçarias e tecidos da heimtextil
Tapeçarias, materiais feitos a mão e tramas com nuances de azul no estande da alemã Paulig | Fotos: Danilo Costa

 

Azuis, verdes e derivados

Não é de hoje que a paleta do mar, do céu e das árvores predominam no mundo da decoração e do design. Mas talvez a ideia seja apresentar esses tons de uma maneira menos conservadora, com sobreposição de desenhos, mistura de estampas, opções desgastadas, lavadas, com detalhes feitos a mão e por aí vai. Embora o verde também esteja presente (o azul bem mais), acabou dando forma às folhagens, paisagens etc, não a cor, simplesmente, lisa ou estampada. Tanto o azul, quanto o verde, definitivamente não são apenas tonalidades dos detalhes, das miudezas, são de base, podem colorir superfícies maiores e trazer a sensação de frescor e modernidade.


 

 

tons terrosos nos tecidos
Tons terrosos, materiais feitos a mão… tudo por uma vida mais conectada à natureza. À esquerda, estande da Wallart, marca da Polônia | Fotos: Danilo Costa

 

Ode à Natureza

A tapeçaria, o feito à mão, os materiais naturais… esses dificilmente saem de cena, ainda mais se depender da nossa vontade de ter, dentro de casa, cada vez mais tecidos e materiais de toque gostoso ou opções de revestimentos personalizados, seja com uma costura, um pesponto ou uma linha nada convencional. Quem não deseja um ambiente que priorize o relaxamento, buscando o equilíbrio visual e espiritual através do contato com elementos naturais e da mistura harmônica de formas e tons? É exatamente essa a busca desse grupo que esteve tão presente em tantos estandes da Heimtextil.


 

O que não apareceu na Heimtextil

 

Elementos Geométricos

Tão marcantes nas feiras de revestimentos, especialmente nas opções de cerâmicas e cimentícios em 3D, os elementos geométricos não estamparam tecidos nem papéis de parede. Por onde andam? Será o que o mundo está enjoado deles?

 

Cor Viva Magenta

A aposta vibrante da Pantone, que é referência mundial no estudo de cores, até foi vista em um estande ou outro, mas escondidinha, sem grande destaque. Foi preciso procurar muito, mexer em araras de tecidos até encontrar, pelo menos, alguma nuance que lembrasse o Viva Magenta.

 

Animal Print

Originário na década de 1950, o termo animal print entrou com tudo no mundo da decoração nos últimos anos, mas em tecidos e outros materiais da Heimtextil essa estampa não apareceu, não. Talvez, isoladamente, um elefante dali, uma girafa daqui, mas nada que sobressaísse essa decoração nada delicada.

 

Ombré e degradê

Essas duas palavrinhas de origem francesa, que tanto coloriram paredes, cortinas etc com sua profusão de cores também não deram ‘as caras’ nos estandes da maior feira da área têxtil do mundo. Não podemos afirmar que caíram em desuso ou saíram de moda, mas que não vimos, não vimos nadinha mesmo!

 

*O jornalista Danilo Costa está visitando a Heimtextil, na Alemanha, à convite da Messe Frankfurt.

 

+ PRA VOCÊ: Heimtextil levanta as bandeiras da sustentabilidade e economia circular

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no facebook
Compartilhar no email

LEIA TAMBÉM

Minimalista e atemporal

A arquiteta Sabina Kalaoun, do Studio LAK, se muda com o marido…

Reforma completa

Apartamento ganhou ares de casa a pós a reforma que integrou ambientes…

A arte de Basiches

Arquiteto e artista plástico José Ricardo Basiches abre exposição Traços e Contextos…